A Importância da Nutrição na Osteoporose

Em 2015, o Relatório do Dia Mundial da Osteoporose descreveu como fatores nutricionais afetam a saúde musculoesquelética no decorrer da vida. 

Gestantes devem ter uma nutrição adequada para garantir o desenvolvimento intra-útero do seu filho. Apesar disso, estudos desenvolvidos em diversas partes do mundo mostram que níveis baixos tanto de cálcio quanto de vitamina D são comuns na gestação. 

O pico de massa óssea é determinado em sua maior parte durante as duas primeiras décadas de vida. Enquanto a genética tem uma participação importante, decisões sobre nutrição e atividades físicas impactam no fato de uma criança atingir ou não o seu potencial de pico de massa óssea. Neste sentido a osteoporose foi definida como uma doença pediátrica com consequências geriátricas.

Na idade adulta, a combinação de uma dieta balanceada e atividade física de baixo impacto tem uma participação importante para garantir uma boa saúde óssea. Os pontos chave para a boa saúde óssea incluem:

 - Cálcio: existe um consenso evidente entre as principais organizações que orientam o consumo de cálcio entre os adultos. Entre elas a Organização Mundial da Saúde, recomenda a ingestão de 1000mg de cálcio por dia.

 - Vitamina D: enquanto a exposição solar é a fonte primária de vitamina D ao iniciar a sua síntese na pele, o estilo de vidaindoorvem contribuindo para que a insuficiência desta vitamina seja um problema mundial. Em 2009, um grupo de estudos da International Osteoporosis Foundation publicou uma revisão do status global da vitamina D e os determinantes para sua insuficiência. Níveis baixos de vitamina D entre adultos foram altamente prevalentes.

 - Proteínas: as proteínas são uma fonte de aminoácidos que são necessários para manter a estrutura do osso e estimulam a formação óssea. 

 - Vitaminas: são necessários mais estudos para avaliar o impacto de diversas outras vitaminas na saúde óssea. 

 - Minerais: magnésio e zinco participam do metabolismo ósseo e garantir uma ingesta adequada dos mesmos é importante. 

 

A má-nutrição é altamente prevalente nos idosos e, por isso, garantir uma ingesta adequada de cálcio, vitamina D e proteínas neste grupo é importante. As recomendações chave publicadas em 2014 em um consenso da Sociedade Européia para os Aspectos Clínicos e Econômicos da Osteoporose e Osteoartrite (ESCEO)são as seguintes:

 - ingesta ótima de proteínas de 1-2g/kg de peso corporal com pelo menos 20-25g de proteínas de alta qualidade em cada refeição principal.

 - Consumo de 800UI de vitamina D para manter os níveis sanguíneos acima de 50 nmol/L (20 ng/ml)

 - consumo de 1000mg de cálcio por dia

 - realizar atividades físicas 3-5 vezes por semana combinada com consumo de proteínas próximos das sessões de exercícios.

  • whatsapp
  • Facebook